Congonhas e Santos Dumont iniciam teste de ponte aérea com reconhecimento facial

15/06/2021

Os passageiros que voam hoje (15) na ponte aérea São Paulo-Rio de Janeiro, de Congonhas para o Santos Dumont, ou vice-versa, podem experimentar a fase de testes do projeto Embarque + Seguro 100% Digital. A iniciativa, que tem o governo Federal e IDEMIA como viabilizadores, transforma todo o processo de embarque em uma vivência 100% digital, que usa a biometria facial da chegada no aeroporto à entrada no avião.

Entre hoje e amanhã, ao longo de todo o dia, o projeto funciona em fase de testes e mesmo assim torna a ponte aérea a primeira ano mundo com o recurso utilizado de ponta a ponta no processo de embarque. Os testes são realizados em voos operados pela Azul Linhas Aéreas.

Há dois terminais de reconhecimento: um na entrada da sala de embarques e outro no portão (Foto: Divulgação)

PASSO A PASSO DO EMBARQUE

Dentro do processo realizado pelo projeto Embarque + Seguro 100% Digital os acessos à sala de embarque e ao avião podem ser realizados sem a apresentação de nenhum documento e nem sequer contato com colaboradores da companhia ou do aeroporto.


Veja o passo a passo do embarque biométrico:


- O passageiro pode fazer seu check-in diretamente no aplicativo do projeto, que está disponível tanto para aparelhos iOS como para Android;


- Pela ferramenta, o viajante preenche dados pessoais como CPF, informações do voo e depois disso tira uma foto (selfie) que será confrontada com a base de dados da Serpro - Serviço Federal de Processamento de Dados, do governo Federal;


- Com a confirmação de dados e reconhecimento facial, o aplicativo manda uma confirmação ao viajante e a informação para as bases de dados do aeroporto e da companhia aérea;


- Ao chegar no aeroporto, o passageiro tem dois pontos de reconhecimento. O primeiro já na barreira entre saguão e sala de embarque e o segundo no portão de embarque.


- Nesses dois momentos, terminais com câmeras identificam o viajante e liberam a entrada sem que seja necessária a apresentação de nenhum documento ou do cartão de embarque.


De acordo com o diretor de Public Security & Identity da IDEMIA no Brasil, Márcio Lambert, “o uso do reconhecimento facial é uma tendência global e o projeto Embarque + Seguro, realizado em parceria com o Minfra (Ministério da Infraestrutura) e o Serpro, mostra que o Brasil está no caminho certo para a digitalização dos aeroportos”.


O executivo lembra ainda que essa mesma tecnologia de reconhecimento facial é utilizada nos aeroportos mais modernos de todo o mundo, a exemplo do Changi, em Singapura. “Ela oferece alto nível de segurança para os passageiros, companhias aéreas e operadores dos aeroportos, já que o algoritmo utilizado é de alta acurácia, atingindo altíssimo índice de autenticidade na identificação de indivíduos”, completa.

Márcio Lambert, diretor de Public Security & Identity da IDEMIA no Brasil (Foto: Divulgação)

CONTEXTO E IMPLEMENTAÇÃO

Segundo aponta Lambert, a idealização do projeto nasceu de uma demanda do governo federal, que buscava uma solução digital para o setor de aviação. A pandemia e suas restrições também ajudaram nesse sentido.

“Esse foi o pano de fundo para a aplicaçã