top of page

Após eliminar restrições, China vê aumento nas reservas de voos

12/01/2023


Notícia: Panrotas



Após eliminar restrições, China vê aumento nas reservas de voos (foto: Adobestock)


A decisão da China de abandonar sua política de covid zero provocou um notável aumento nas reservas de voos, de acordo com informações mais recentes da provedora de dados de viagem ForwardKeys.


Em 7 de dezembro do ano passado, as autoridades chinesas anunciaram que o teste de PCR negativo não seria mais necessário para viagens aéreas entre as províncias. As reservas de voos domésticos aumentaram imediatamente 56% na semana anterior e continuaram a aumentar 69% na semana seguinte. Em 26 de dezembro, a China removeu todas as restrições relacionadas à covid-19 em viagens aéreas domésticas e as reservas aumentaram novamente, atingindo 50% do nível de 2019 na última semana do ano.


A partir de 3 de janeiro deste ano, as reservas de voos domésticos para o período do Ano Novo Chinês, que vai de 7 de janeiro a 15 de fevereiro, estavam 71% abaixo dos níveis pré-pandêmicos (2019) e 8% atrás do ano passado, com os destinos mais populares sendo Pequim, Xangai, Chengdu, Kunming, Sanya, Shenzhen, Haikou, Guangzhou e Chongqing. Antes do anúncio em 7 de dezembro, eles estavam 91% atrás de 2019.


O órgão regulador da aviação da China planeja restaurar a capacidade de voo para 70% dos níveis pré-pandêmicos até 6 de janeiro e para 88% até 31 de janeiro. No entanto, uma recuperação total não é possível imediatamente, pois a indústria precisa de algum tempo para recontratar funcionários e atender a todos os requisitos de serviço e segurança de voo.


Foi também anunciado, em 26 de dezembro, para início em 8 de janeiro, o fim do limite máximo de voos internacionais para a China e as medidas de quarentena. Além disso, os cidadãos chineses agora podem renovar passaportes vencidos e solicitar novos.


As reservas de voos de saída entre 26 de dezembro e 3 de janeiro aumentaram 192% em comparação com o mesmo período do ano passado, mas ainda estão 85% abaixo dos níveis pré-pandêmicos. Atualmente, as viagens mais populares são para Macau, Hong Kong, Tóquio, Seul, Taipei, Singapura, Bangkok, Dubai, Abu Dhabi e Frankfurt. Notavelmente, as reservas para Abu Dhabi, que tradicionalmente tem sido uma importante porta de entrada entre a China e o Ocidente, atingiram 51% dos níveis de 2019. No que se refere às demais reservas, 11% irão para Paris, 9% para Barcelona, 5% para Londres, 3 % para Munique e 3% para Manchester. 67% das reservas feitas entre 26 de dezembro e 3 de janeiro foram para viagens durante o período do Ano Novo Chinês.


“Embora o Ano Novo Chinês estimule a recuperação das viagens internacionais pela primeira vez em três anos, precisaremos esperar mais antes de vermos um ressurgimento de turistas chineses explorando o mundo. As razões são: primeiro, a atual capacidade de voos internacionais programados é de apenas 10% do nível de 2019; e devido aos requisitos de aprovação para direitos de tráfego e slots nos aeroportos, será difícil para as companhias aéreas se recuperarem em poucos meses. Em segundo lugar, os preços das passagens continuam altos, com tarifas aéreas médias em dezembro 160% mais altas do que no mesmo período de 2019. Dito isso, há uma tendência de queda desde junho, quando a quarentena foi reduzida de três semanas para sete dias, e depois para cinco dias em novembro”, comenta o VP de Insights da ForwardKeys, Olivier Ponti.


“Em terceiro lugar, alguns destinos, incluindo EUA, Reino Unido, Índia, Catar, Canadá, Austrália e todos os 27 países membros da UE agora exigem um teste covid-19 pré-voo para viajantes provenientes da China; e outros, como Japão, Coreia do Sul e Itália, irão impor testes na chegada e quarentena para quem testar positivo. Enfim, é provável que haja um gargalo no processamento de renovações de passaporte e pedidos de visto; e alguns países, como Coreia do Sul e Japão, estão restringindo vistos de curto prazo para viajantes chineses até o final deste mês. No momento, esperamos que o mercado externo chinês se recupere fortemente no segundo trimestre de 2023, quando as companhias aéreas agendam a capacidade para a primavera e o verão, que incluem o feriado de maio, o festival Dragon Boat em junho e as férias de verão”.

0 comentário
bottom of page